sábado, dezembro 29, 2007

poemas

acordo.
dentro de mim,
e ao meu lado
o vazio
o cordão infinito
as voltas entrelaçadas
os corpos separados
juntos
e o espaço entre os dois
adormeço, sonho, desejo
sem tempo
visto-te de pernas ao ar
encontro-te as formas
os vazios que te preenchem
e entro
saio e entro
por um chão que cobre o pó
e no final
acordo, cais e o abandono
preenche o ar vazio de ti...

............................................................

encontro o vazio das palavras
o branco da tela
da folha de linhas
do papel amachucado
e a tinta seca
acumula-se de explode sem sentido
o vazio das palavras por escrever
no espaço a elas destinado
que se queima pelo sol...
e a chuva amolga com pesadas gotas
o papel embebido
morre sem levar com ele
palavras que desapareceram
palavras que encontraram o fim
algures no momento
em que eram geradas
foram palavras não proferidas
engolidas uma e outra vez.
e no vazio
a apatia toma conta do ser
os olhos vidrados
e o cansaço rotineiro
assume a forma humana.

Sem comentários:

Seguidores