segunda-feira, fevereiro 04, 2008

the running for the oscars...

Numa tentativa de conseguir estar preparado para conseguir avaliar a justiça (ou não) dos mais famosos prémios de cinema do mundo… os mais esperados, mas obviamente nem sempre os mais justos. Assim, “No Country for Old Men” vs. “Atonementequals 1=0.


A verdade é que em “Expiação” (título português dado ao filme onde Keira Knightley aparece com um vestido verde líndissimo...) há uma tentativa falhada de tranformar aquilo que podia realmente ser um bom filme se o realizador não tivesse tentado fazer manobras estranhas com o intuíto de lhe dar uma forma que o filme não pode na realidade ter. Há uma história que ultrapassa o enredo em si, e isso é tido sempre num segundo plano, sempre mencionado, mas sem dúvida num segundo plano. Na minha opinião haveria apenas um Óscar neste filme (mas não há sequer a nomeação) e seria para a personagem de Vanessa Redgrave no final.
“No Country for Old Men” ainda não estreou por território português, mas por “portas travessas” já tive a oportunidade de o ver, e é sem dúvida um óptimo comeback dos irmãos Coen que voltam a visitar o ambiente de “Blood Simple” nos confins de uma América esquecida, e apesar do registo surrealista ter desaparecido (pelo menos na imagem), existe a mesma estranheza nas personagens sobretudo na de Javier Bardem que está justamente nomeado pelo papel que interpreta de serial killer.
Sobre este último não me quero alongar mais até porque quero ir vê-lo ao cinema assim que estreie e poder levar o golpe que levei mas sentado na sala escura rodeado de pessoas e deixar que a tela me absorva para dentro daqueles desertos americanos que apelam à estranheza de um mundo que não existe, de um sitio no mundo onde o tempo parece não passar… a poeira… não a de “A bússola Dourada” mas a poeira real que cega os homens e os remete para a sua impotência.

Sem comentários:

Seguidores